Curadoria

Camila Macedo

Camila Macedo é Mestra em Educação pela Universidade Federal do Paraná (PPGE-UFPR) e Bacharela em Cinema e Vídeo pela Faculdade de Artes do Paraná – Universidade Estadual do Paraná (FAP-UNESPAR). Atuou como roteirista e diretora do episódio “[Des]Iludidxs”, da série televisiva documental “[Des]Iguais”, e dos curtas-metragens “experimento fílmicoe “Lirion. Participa do grupo de pesquisa CINECRIARE – Cinema: criação e reflexão (UNESPAR/CNPq), sendo uma das coordenadoras do Ciclo de Leitura Cinema e Feminismo. No audiovisual e na área acadêmica, suas produções são voltadas às pesquisas no campo dos estudos de gênero e sexualidade.

Jessica Candal

Jessica Candal é Bacharel em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Como diretora realizou os curtas-metragens “Horizonte”, “Bárbara na Cidade”, “Teia” e “O Espelho de AnA. Como roteirista, escreveu os longas “Ferrugem” e “Barba Ensopada de Sangue”, em parceria com Aly Muritiba, e “Tão Longe do Centro da Terra”, em parceria com Aarón Fernández. Em 2014, “Horizonte”, seu primeiro roteiro de longa-metragem, venceu o Concurso de Pitchings do Olhar de Cinema e em 2017 participou do Brasil CineMundi – International Coproduction Meeting. Na área de curadoria, atuou como criadora e curadora do “Reflexos de AnA – Mostra de Documentários de Mulheres”, fez a curadoria dos curtas-metragens do “Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba” e dos documentários do “FICBIC – Festival Internacional de Cinema da Bienal de Curitiba”.

Bea Gerolin

Bea Gerolin é artista visual e realizadora cinematográfica. Estudante de Cinema e Vídeo na Faculdade de Artes do Paraná – Unespar, atua como diretora de arte em curtas e longas-metragens. Como diretora, realizou o curta-metragem “Colo” (2016) –  prêmio Vladimir Kozák de roteiro no Fast Doc – e “Ferradura” (2017) – exibido no 24º Festival de Vitória, Festival da Tainha Dourada, Metrô, entre outros. Desenvolve o projeto de pesquisa “A (auto) representação da mulher negra no cinema brasileiro contemporâneo” e seus projetos audiovisuais são voltados para essa temática e para a construção de novas narrativas.

João Miguel Santana

João Miguel Santana trabalha temáticas sobre sexualidade, corpo e gênero em suas fotografias e filmes. Em 2013 foi vencedor de 3 categorias do Festival Curta 8 com o filme In Memoriam Afeto e segundo lugar na categoria de “documentários” do FiCBIC, com o filme trans, além de. Em 2016 dirigiu o documentário “[des]temidas que retrata a vivência de 5 mulheres trans de Curitiba e as relações dessas com a representação do corpo trans na mídia.

Fábio Allon

Fábio Allon é graduado em Arquitetura e Urbanismo pela UFPR, em Cinema e Vídeo pela CINETVPR/FAP/UNESPAR e mestre em Teoria, História e Crítica da Arquitetura pela UFRGS. Seus estudos nas áreas de Teoria da Arquitetura, de Linguagem Cinematográfica e das interfaces entre ambos resultaram na publicação de seu primeiro livro, “Arquiteturas Fílmicas”. É professor da graduação e da pós do curso de Cinema e Vídeo da FAP/UNESPAR, onde leciona disciplinas das áreas de Direção, Roteiro e Direção de Arte, mas já lecionou também na Universidade Tuiuti, no Centro Europeu e no Espaço de Artes. Foi ainda vice-presidente da AVEC-PR (Associação de Vídeo e Cinema do Paraná) entre 2014-2016. Em cinema, trabalha principalmente como diretor, roteirista e montador. Já participou de mais de 100 produções em funções diversas e seus trabalhos como diretor já figuraram em mais de 100 festivais pelo mundo, tendo recebido mais de 40 prêmios. É um dos sócios fundadores da Processo MultiArtes.